quinta-feira, 8 de novembro de 2018

O Livro e o Prazer da Leitura em 400 Citações


O livro é a porta para o que é o homem, o que é humano. É o testemunho máximo de nossa história e evolução, raízes e anseios – e nosso alcance. Faltam-nos palavras para descrever o livro. Bem, este é justamente um dos motivos desse livro sobre o livro (e sobre a leitura): coligir reflexões as mais diversas sobre o nosso amigo de todas as horas, bem como sobre o prazer que a leitura proporciona, oriundas de autores, tempos e culturas os mais variados.
A reflexão sobre o livro e o incessante e multiforme incentivo à leitura precisam estar na base, no “chão” da cultura, para que o edifício se erga e sustenha. Afinal, o livro é o objeto cultural elementar.
Pais e educadores, leitores e escritores, livreiros, editores, políticos, jornalistas – profissionais e amantes do livro e qualquer um preocupado com os destinos da educação e do próprio país encontrarão aqui um ferramental de boa e urgente reflexão. “Munições” para lembrarmos, celebrarmos e promovermos a cada dia mais a Sua Excelência, o Livro.

Sammis Reachers

O livro encontra-se à venda apenas pela livraria AMAZON. Você pode adquirir o seu clicando AQUI.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

ÁRVORE Uma Antologia Poética - Livro gratuito



        O termo grego ανθολογία (antologia), significa “coleção ou ramalhete de flores”. Daí o latim florilegium. O termo florilégio encaixa-se bem ao presente trabalho, onde procurou-se coligir poemas sobre a árvore, esse centro e pilar da hera.
        E foi sorvendo de outas antologias, e ainda de livros individuais, revistas e websites, que coligimos aqui este singelo ramalhete de poemas sobre a árvore. Adicionamos ao volume uma pequena seleção de frases sobre o tema, e, em arremate, publicamos o texto integral (vertida sua grafia ao português hodierno) do poema A Destruição das Florestas, do múltiplo Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806 – 1879). O poema, que veio à luz em 1845, é um significativo e precoce exemplo de consciência ambiental em nossa literatura.
        Uma antologia temática é uma chance sempre de a poesia penetrar em espaços outros que não os estritamente circunscritos aos apreciadores de poesia. Como antologista, confesso que prefiro, por motivos óbvios, trabalhar com temas ainda não contemplados, os quais infelizmente são muitos em nossa língua. Já assim fizemos em trabalhos como Segunda Guerra Mundial – Uma Antologia PoéticaBreve Antologia da Poesia Cristã Universal e Amor, Esperança e Fé – Uma Antologia de Citações, só para citar alguns trabalhos. Assim, qual a vantagem (ou vantagens) de debruçarmo-nos, agora, sobre uma outra antologia da árvore, já que nossa literatura possui obras neste viés? Acreditamos em algumas. A primeira, é de ordem da amplitude espaço-temporal: a coleta de um número significativo de textos, abarcando autores, se em sua maioria brasileiros ou lusos, também de outras literaturas do globo, e alguns deles de produção posterior às seletas precedentes; a segunda, por suprimento de lacuna, visto que os predecessores são livros esgotados já de há boas décadas; e, por fim, nossa motivação principal: a democratização do conhecimento proporcionada por um livro que já nasce eletrônico e gratuito, o que permite um acesso fácil, amplo e permanente ao seu conteúdo. Afinal, em tempos em que “Meio Ambiente” alcançou o status de tema transversal a perpassar o ensino de todas as disciplinas escolares, auxiliar educadores em seu esforço para incutir o reconhecimento e a valorização deste ser áulico e basilar da Natureza, a árvore, naqueles corações sob sua jurisdição, torna-se nosso objetivo mais urgente.
        Além do elogio da árvore, presta-se aqui uma homenagem a nossos poetas de agora e de ontem, e de certa forma um serviço à literatura lusófona, pois toda antologia literária é antes de tudo isso - um serviço prestado a uma literatura e ao universo de seus usuários.
        Este é um livro gratuito. Como amante das árvores e da literatura, como professor e como antologista, é um prazer ofertar este livro a todos, com votos de que ele possa ser compartilhado livremente, para que alcance os fins a que se propõe.
                               
Sammis Reachers

Para baixar o livro (224 págs., em formato PDF) pelo Google Drive, CLIQUE AQUI.

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

POLÍTICA EM 200 FRASES: Livro reúne frases ácidas sobre políticos e sua nobre arte, a política


Neste breve volume estão reunidas quase 250 frases as mais diversificadas no tocante ao espírito, motivação, autoria e tempo em que vieram a luz; sérias ou hilárias, surpreendentes, cínicas e ácidas: a visão sobre a política, os políticos e suas generalidades pela voz de alguns séculos de sabedoria desenvolvida no contato, muitas vezes deletério, com esses artistas da empáfia – e sua nobre arte.
Adquira o seu e--book hoje na Amazon - apenas R$ 2,99.


"A política é a arte de captar em proveito próprio a paixão dos outros.”
Henry de Montherlant


“O pior analfabeto é o analfabeto político. É tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política.”
Bertold Brecht

“Para a política, o homem é um meio; para a moral, é um fim. A revolução do futuro será o triunfo da moral sobre a política.”
Ernest Renan

“Um bom governo é como a boa digestão: enquanto funciona, mal é percebido.”
Erskine Caldwell

“É mais um exemplo da ironia humana – o fato de parecer mais fácil morrer numa batalha do que dizer a verdade em política.”
Chesterton

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Eleições 2018, cenário sombrio para a Igreja: Daciolo nos representa?


Agosto de 2018: As eleições estão já às portas, e o cenário que se vislumbra é deveras sombrio, embora muitos pensem o contrário.
Comecemos pelos da "casa" de "Deus": Marina, vítima de alianças, vítima do tempo, vítima do PT, a quem ela permitiu desconstruí-la nas últimas eleições - permitiu, sem falar um "ai" sobre a corrupção do PT, que ela como ex-ministra deveria saber - e o pior, talvez não tenha se omitido por rabo preso, pois ela realmente aparenta inocência(s), mas POR RESPEITO ao Lula. O tempo, como dito, e o convívio com a nata da liberalidade (moral) acabaram por fragmentar seu discurso cristão, e hoje ela é apontada como favorável aos LGTBs, e propõe um plebiscito para a questão do aborto, que deveria ser tema intocável para um cristão, seja de qualquer vertente.
Temos o louco do Boulos, que tinha muito para apresentar-se mais inteligentemente, mas excede no radicalismo e sabota suas próprias perspectivas de (alguns) votos. Ainda na esquerda, Ciro, ás das palavras, mas que, contraditória ou paradoxalmente, costuma dizer uma asneira num vídeo e, ao contrário de Bolsonaro, que tenta mal e porcamente explicar-se, simplesmente desmente o registrado, e diz que jamais falou tal coisa. Assim, com a maior das caras lavadas. Assim fica fácil prometer mundos e fundos, como ele logra fazer. Isso não é papel de homem, e ele próprio já se desqualifica a priori como homem para chefiar uma nação.
Os demais são mais do mesmo: Alckmin, Meireles, Amoedo, raposas purpurinadas do neoliberalismo. Nada temos a dizer: suas biografias falam ou arrotam por si.
E temos Bolsonaro. De quem não vou citar os pontos positivos, alguns, pois há milhões que, sinistramente zumbificados, o fazem pela segurança das redes sociais. Bolsonaro é o que a Bíblia chama fundamentalmente de levantador de contendas. Um Ninrod, um valente que, dizendo trazer  solução e a reforma moral, é apenas mais do mesmo, o que se vê em seus muitos anos de vida pública e suas nulas realizações. É a opção cristã mais razoável - sim - mais razoável PARA O SEGUNDO TURNO. Suas continências à bandeira americana e durante eventos maçônicos dizem mais sobre ele do que seus defensores estão dispostos a engolir - e no entanto engolem. Mas, concordo com eles, há males piores.
Para o primeiro turno, acreditamos num elemento já um tanto folclórico - um homem que fala sobre a algo fantasiosa Nova Ordem Mundial, mas também sobre a muito real e operante Maçonaria - isso em cadeia nacional. E, ainda em cadeia nacional, abre uma Bíblia (alô Marina, alô Bolsonaro, alô Mangueira, aquele abraço!), e lê um versículo para a nação. Se sua pouca experiência depõe contra ele, ela mesma deixa transparecer que o nosso homem possui algum talento, muita coragem, e apresenta-se como cristão que não se envergonha da Palavra da Verdade, colocando-a (ao menos em tese, e isso é muito mais do que os demais) acima de tudo. Estamos falando, claro, de Daciolo.
Claro está que ele não representa perigo para os principais concorrentes - e por isso mesmo merece nosso voto. Nosso voto de protesto, nosso voto de cristãos, nosso voto de demonstração de força. Ele precisa de força para conquistar visibilidade, palanque, projeção - para que continue a voar e a bradar, com a coragem que falta a todos os demais. Cientes estamos de suas incongruências, algumas divertidas: mania de perseguição, algum exagero nas citações e apelos de seu incansável jargão evangélico, confissão (exageradamente?) positiva - mas isso, o tempo apaziguará. Precisamos dele como precisamos um dia de Enéas, que deixou este país antes do tempo, com funestas consequências para a nação.
Para o segundo turno, decidamos entre Bolsonaro e um outro - mas neste primeiro turno eu lhe convido a votar com ousadia, com coragem, com protesto contra o marasmo de lama em que estes que aí estão nadam há décadas, sem cansarem-se ou se afogarem. 

Sammis Reachers

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Todo homem que te procura vai pedir-te alguma coisa - Amado Nervo



Todo homem que te procura vai pedir-te alguma coisa: o rico aborrecido, a amenidade da tua conversa; o pobre, o teu dinheiro; o triste, um consolo; o débil, um estímulo; o que luta, uma ajuda moral. Todo homem que te busca, certamente há de pedir-te alguma coisa.

E tu ousas impacientar-te! E tu ousas pensar que isso é um fastídio! Infeliz! A lei oculta, que reparte misteriosamente as excelências, dignou-se outorga-te o privilégio dos privilégios, o bem dos bens, a prerrogativa das prerrogativas: "DAR". Tu podes dar!

Em todas as horas de que é feito um dia, tu dás, ainda que seja um sorriso, ainda que seja um aperto de mão, ainda que seja uma palavra de alento. Em todas as horas de que é feito um dia, tu te assemelhas a Ele, que não é senão doação perpétua e perpétuo regalo.

Deixa-te cair de joelhos, e dizer: - "Graças, meu Deus, por eu poder dar! Nunca mais pelo semblante passará uma sombra de impaciência! Em verdade, em verdade vos digo que mais vale dar que receber!"

Amado Nervo

quarta-feira, 11 de julho de 2018

O Centro de Valorização da Vida precisa de voluntários - Participe!


CURSO PARA NOVOS VOLUNTÁRIOS - CVV ABOLIÇÃO

Data: 21 e 22 de Julho de 2018.

Horário : 13h30 às 18h30

Local : Rua Abolição, 399 - Bela Vista - São Paulo

Inscrições e Informações : As inscrições podem ser feita no próprio local nos 15 minutos antes do curso e para maiores informações entre em contato com os telefones 11-96422-9233 ou 11-98246-0587 (Whats) ou pelo 

Curso gratuito: Para ser voluntário vinculado ao programa CVV de Prevenção ao Suicídio e Apoio Emocional e Valorização da Vida, basta ser maior de 18 anos, ter disponibilidade de tempo(média de 4 horas e meia, uma vez por semana), disposição para ajudar o próximo e abertura para o autoconhecimento e aprendizado.

O CVV : O CVV é uma instituição sem fins lucrativos e mantida pelos próprios voluntários, os postos CVV desenvolvem trabalhos de apoio emocional por meio de contatos telefônicos, atendimento pessoal, via correio, e-mail e via chat no próprio site da entidade : www.cvv.org.br.

domingo, 20 de maio de 2018

Magistocracia, a "gran famiglia" do Judiciário brasileiro


CONRADO HÜBNER

A democracia brasileira depositou no Poder Judiciário parte das esperanças de transformação social trazidas pela Constituição de 1988. A aposta aliou um catálogo de direitos a um repertório de ferramentas processuais de efetivação. Essa espetacular missão, contudo, caiu no colo de magistocratas. A magistocracia é mais nociva do que o temido “governo de juízes”. Magistocratas não querem tanto o ônus de governar e responder por seus atos, pois preferem o gozo discreto de seus privilégios materiais e de status. Não ser incomodados em seu condomínio lhes basta: realizam-se no exercício de seus micropoderes privados, fora dos holofotes. Ali está sua concepção de vida boa.
A promessa de 1988 fracassou e a corporação judicial tem sua fração de responsabilidade. Permaneceu refratária à incorporação de princípios de controle e de transparência a sua estrutura e sua prática institucionais e ampliou modestamente o acesso à Justiça e o grau de pluralidade demográfica dos juízes de primeira instância. Resistiu quanto pôde às mais simples formas de abertura e prestação de contas.
Magistocratas vivem num mundo à parte. O processo de assimilação à corporação passa por uma eficiente anestesia ética: poucos têm tamanho contato, desde o andar de cima, com as mazelas do andar de baixo da sociedade brasileira; poucas instituições têm tamanha capilaridade e oportunidade de proteger os mais vulneráveis contra abuso do poder político e econômico; não há quem melhor pratique seu poder corporativo para pleitear gratificações nos métodos da baixa política. Pouco importa qualquer valor republicano ou ponderação de justiça desabonadores.
“Governo de juízes” é expressão hiperbólica que aponta usurpações de poder pelo Judiciário na separação de Poderes. “Ativismo judicial” é equivalente.
A magistocracia é distinta: corrói a cultura democrática e sua pretensão igualitária. Em geral, o debate público brasileiro sobre o Judiciário tende a se concentrar no que juízes fazem ou deixam de fazer no exercício da função jurisdicional. Um ângulo fundamental, mas insuficiente. Precisamos discutir quem os juízes são, de onde vêm, o que pensam, como vivem. Ao lado da dimensão política — o quantum de poder — há uma dimensão social — o quantum de privilégios. Esta é indispensável para observar a relação do Judiciário com a democracia.
A magistocracia tem cinco atributos: é autoritária, autocrática, autárquica, rentista e dinástica. Autoritária porque viola direitos (é coautora intelectual, por exemplo, do massacre prisional brasileiro); autocrática porque reprime a independência judicial (juízes insubordinados são perseguidos por vias disciplinares internas); autárquica porque repele a prestação de contas (e sequestra o orçamento público a título de “autonomia financeira”); rentista porque prioriza interesses patrimoniais (agenda corporativa prioritária); e dinástica porque incorpora, sempre que pode, os herdeiros à rede.
Nem todo juiz, obviamente, é um magistocrata, mas esse é o ethos institucional que os governa. Um Judiciário independente, competente e imparcial é indispensável à democracia. A magistocracia é adversária desse projeto. Juízes não são beneficiários passivos da desigualdade brasileira, pois ocupam lugar estratégico para sua manutenção e não desperdiçam a oportunidade.
A batalha pelo aumento salarial fantasiado de auxílio-moradia (com isenção tributária) é exemplo menor de uma patologia profunda. O líder momentâneo da causa é um magistocrata de raiz, o ministro Luiz Fux. Quatro anos — e mais de r$ 5 bilhões — depois, retirou o caso da pauta do STF e afirmou que a Câmara de Conciliação do governo federal vai buscar “saída de consenso” entre as partes. Pretexto malandro, pois não há partes a ser conciliadas diante de situação ilegal. A desfaçatez é a de sempre. Foi o mesmo ministro que, ao fazer lobby pela nomeação de sua filha de 35 anos de idade a desembargadora do Rio de Janeiro, dizia: “É o sonho dela. É tudo o que posso deixar para ela” (revista piauí, abril de 2016). Deu certo. A família, claro, agradece.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Congresso gratuito: “Por Um Brasil Sem Órfãos” em São Paulo


Vivemos em uma geração onde os direitos de milhares de crianças e adolescentes têm sido negligenciados. São muitos que enfrentam o abandono e a orfandade, que crescem em instituições de acolhimento ou são órfãos de pais vivos.
No dia 19 de Maio, será realizado o Congresso “Por Um Brasil Sem Órfãos”. Focado para pastores e lideranças cristãs, o evento é gratuito e vai acontecer no espaço da Igreja Batista do Povo, localizada na Rua Domingos de Morais, 1100 – Vila Mariana – São Paulo.
“Cremos que a Igreja de Jesus é o catalisador das respostas junto à sociedade para crise da orfandade. O que aconteceu no passado não pode ser mudado, mas existe um futuro que nós podemos ajudar a escrever de forma diferente!” – acentuam os organizadores do Movimento Brasil sem Órfãos.
Palestrantes
Pr. David Silva | Pastor, Autor e Líder do Movimento Brasil Sem Órfãos
Esther Katayama | Psicóloga do Tribunal de Justiça, Coordenadora da APEC e do Projeto de Extensão Fazendo História
Maria José Correa | Assistente Social aposentada do Tribunal de Justiça e Coordenadora do Grupo de Apoio a adoção “Conta de Novo” da Igreja Batista do Povo
Delton Hochstedler | Assistente Social e Coordenador Técnico da ABBA
Sara Vargas | Fundadora e Coordenadora do Grupo Pontes de Amor e Presidente da ANGAAD
Rodrigo Rangel | Pastor, Fundador e Presidente do Grupo Pontes de Amor
A programação vai começar às 09h e estende-se até as 16h30 e conta com palestras, mesa redonda e workshops. Cada pessoa poderá se inscrever em um workshop de um total de seis oferecidos:
  • Ministério pastoral;
  • Fortalecendo famílias em vulnerabilidade social;
  • Apadrinhamento afetivo;
  • Capelania em abrigos;
  • Acolhimento familiar e,
  • Adoção e grupos de apoio.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Dinâmicas e quebra-gelos para o ensino de valores missionários em livro gratuito


      Dinâmicas e quebra-gelos para promover a visão missionária em sua igreja, grupo e família.
    Do termo grego dynamis (ou dunamis), que significa “força” ou “poder”, derivamos, dentre outras, a nossa palavra dinâmica.
      O surgimento das chamadas dinâmicas de grupo deu-se em 1914, através do trabalho do cientista comportamental alemão Kurt Lewin.
      As dinâmicas têm sido usadas com sucesso como método geral de auto-conhecimento e interação entre grupos (daí o título de uma de suas variantes, “quebra-gelo”), no treinamento de equipes, atividade pedagógica complementar por profissionais do ensino e ainda em processos de recrutamento e seleção profissional.
      Além de promover uma maior comunhão e interação entre seu grupo, as dinâmicas são excelentes instrumentos de aprendizagem, tanto de conhecimentos quanto de valores morais, além, é claro, do valor lúdico proporcionado pelo clima de brincadeira ou diversão inerentes ao método.
      Procurei neste pequeno livro reunir uma série de dinâmicas e atividades focadas na promoção de valores missionários; atividades que visam o despertamento dos participantes sobre diversos aspectos referentes àquela que é a missão fundamental da igreja na Terra, e motivo único dela, a Igreja, permanecer aqui: Levar o Evangelho de Cristo a todos os homens, cumprir a ordem final de Cristo que conhecemos como a Grande Comissão: “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mt 28:18-20).
      Esta obra reúne textos de diversos autores, aqui diretamente transcritos, assim como textos que escrevi, e outros, a grande maioria, que adaptei, ou seja: valendo-me de uma dinâmica já existente, voltada para outra temática, adaptei-a mudando seu foco para o objetivo aqui proposto. No entanto, nada impede que você, fazendo o movimento oposto, adapte tais dinâmicas para outros propósitos conforme as suas necessidades.
      Este é um livro GRATUITO, que se insere no escopo de outros livros e recursos abarcando gêneros variados (teatro, poesia, frases, jogos e passatempos, imagens etc.) que temos produzido ao longo dos anos para auxiliar a Igreja em seu despertamento evangelístico e missionário. Solicitamos que você compartilhe este recurso (sempre gratuitamente) com outros cristãos, igrejas e órgãos cristãos de seu conhecimento, para que muitos sejam abençoados.

Sammis Reachers

PARA BAIXAR O LIVRO (FORMATO PDF) PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, solicite o envio por e-mail, escrevendo para:  sreachers@gmail.com

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Centro de Valorização da Vida recruta voluntários


O CVV (Centro de Valorização da Vida) vem há 56 anos combatendo o suicídio e prestando apoio emocional, e em breve ampliará seu quadro de voluntários, pois passará a atuar pelo número 188, a nível nacional, num convênio com o Ministério da Saúde. Para tal, está oferecendo um curso para novos voluntários.
Local do Curso : Rua Abolição, 411 - Bela Vista (Região Central Sp)
Data: 03 e 04/02/2018 - Horário : 13hs30 às 18hs30.
Informações : Fone: 188 - abolicao@cvv.org.br ou www.cvv.org.br
Obs: Precisa ser maior de 18 anos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...